Pular para o conteúdo principal

Primavera Codlux® - O Led e as plantas

Dia 22 de Setembro chega a Primavera no Brasil!
E viva! Viva a estação das flores! 

Mesmo que hoje em dia não vejamos mais tantas árvores e flores por aí como víamos antigamente - um fato causado pelas mudanças ambientais devida a danosa ação do homem na Terra - ainda temos o que comemorar, com a biodiversidade (ainda!) resistindo, longe dos grandes conglomerados urbanos mundo a fora.
E quando não encontramos o desejado verde em nossos caminhos do dia-a-dia, procuramos inseri-lo de alguma maneira nos lares e no trabalho. Nem que seja na forma de um singelo vasinho de gérbera ou suculenta!

As coisas em geral mudaram muito no mundo nestes últimos 20 anos!
A Natureza vem perdendo alarmantemente cada vez mais espaço no convívio com a humanidade, em detrimento das mudanças tecnológicas (impulsionadas pelo consumo), responsáveis por parte considerável de uma certa desarmonia atual nas forças que sustentam a permanência do homem na Terra. Estas mudanças agem como algozes da Natureza, em vez de uma força inteligente e avançada em sua defesa! Mas existem exceções.

A iluminação em Led é uma delas.

O Led é fascinantemente benéfico não só a eficiência energética e sustentabilidade do planeta, mas também (como vimos em várias postagens aqui no blog da Codlux®), aos bebês, as pessoas idosas, aos animais, a nossa saúde de um modo geral e agora, conforme veremos a seguir, também as plantas.

Esta semana tem sido muito VERDE, com o "Dia da Árvore" no dia 21 e o "Dia Mundial sem Carro", celebrado agora junto com a entrada da Primavera, no dia 22. E para comemorar tantas datas boas para o meio ambiente e sustentabilidade, criamos este post super especial para você tirar todas as suas dúvidas (e medos) a respeito da ação do Led no mundo VERDE! Acompanhe a compilação de textos relacionados, tanto a produção como aos cuidados caseiros para plantas, flores e demais vegetais.

Boa leitura!

Luzes em LED para o crescimento de plantas

Os benefícios de manter plantas em ambientes fechados são comprovados e numerosos. As "plantas de interior" (conforme chamaremos a partir de agora as plantas de dentro de um ambiente fechado e fora de seu habitat natural ou jardim) ajudam a reduzir os níveis de CO2 e aumentam a quantidade de oxigênio no ar. As plantas ajudam a elevar os níveis de umidade interna, que podem despencar durante os meses mais frios e secos no outono e inverno. Elas reduzem a poluição de partículas interiores de poeira, pêlos e outros materiais diminutos. E, é claro, plantas de interior podem melhorar a sensação de calma e felicidade de uma pessoa também. A visão (e muitas vezes a fragrância) de uma planta vibrante e colorida pode ajudar a afastar a sensação de melancolia provocada por semanas intermináveis ​​de clima cinzento e frio - o chamado S.A.D., também já tratado aqui no blog.

Para crescer, as plantas de interior precisam de:
-Luz do comprimento de onda azul para o crescimento da folha.
-Luz do comprimento de onda vermelha para floração e frutificação.

No passado, produtores agrícolas de estufa utilizavam luz solar natural. Depois vieram as lâmpadas incandescentes, as de sódio de alta pressão HPS (lâmpadas de luz comum para cultivo de vegetais com espectro de luz vermelho/laranja) e fluorescentes CFCs para iluminar as culturas, mas haviam algumas desvantagens em usar estas fontes de luz.
A luz solar natural só está disponível durante o dia.
As lâmpadas HPS consomem muita energia e funcionam a altas temperaturas, o que impede que sejam colocadas perto das plantas. Alguns tipos delas também contêm mercúrio, que é muito problemático para o correto descarte.
Luzes incandescentes também emitem muito calor e por isso, devem ser colocadas bem longe das folhagens das plantas. As lâmpadas halógenas fornecem luz de espectro total, mas assim como as lâmpadas incandescentes, produzem muito calor e consomem muita energia.

As luzes em Led fornecem atualmente a melhor fonte de luz artificial de baixo calor com maior eficiência energética possível. O desenvolvimento de diodos emissores de luz (LEDs) nas últimas décadas introduziu os produtores a uma nova fonte de iluminação, que oferece muitas vantagens. Desde que a NASA começou a experimentar LEDs para o cultivo de plantas de interior nos anos 80, sabemos que diferentes espectros de luz têm efeitos amplamente variados nas plantas. Graças a estes espectros de luz variáveis disponível nos LEDs, estamos finalmente começando a entender a relação entre eles e o crescimento das plantas. Alguns espectros estimulam o crescimento vegetativo e outros aumentam o rendimento em flores e frutos. Outros espectros parecem ter muito pouco efeito no crescimento das plantas. As plantas dependem principalmente de espectros vermelhos e azuis muito altos, e usam uma pequena quantidade de espectros amarelos, verdes, UV e vermelho vivo, para necessidades não fotossintéticas. Elas também precisam de um espectro de cores totalmente visível de fótons, usando quase todos os comprimentos de onda possíveis, porém de modo invertido. Os olhos humanos precisam principalmente dos comprimentos de onda amarelos. Os espectros azuis são muito brilhantes e os vermelhos, muito escuros. Como a tecnologia LED é personalizável, cada lâmpada é diferente e, portanto, devemos certifique-se que elas produzam os espectros de luz azul e vermelho necessários para as plantas de interior. E a iluminação através do Led também propicia maior flexibilidade no controle destes comprimentos de ondas de luz. Uma lâmpada led apropriadamente "quente" (3.000K por exemplo) pode ser usada para acelerar o desenvolvimento da planta. E quanto mais brilho tiver esta lâmpada, maior será este crescimento. As plantas de interior fazem pouco uso para os comprimentos de onda verdes e as refletem de volta, sendo por isso que as folhas parecem verdes (!).

NA AGRICULTURA

-Fazenda vertical 

O uso de sistemas de iluminação LED na agricultura "in door" para plantas de interior já conta com algumas décadas. E os avanços recentes nessa tecnologia têm viabilizado projetos cada vez mais ambiciosos, com fazendas fechadas cada vez maiores, cultivo de vegetais na Antártica, em regiões desérticas e mesmo em missões espaciais. Exemplo disso é uma parceria da Current (powered by GE) com a Jones Food Company Ltd. (JFC) para a construção da maior fazenda vertical da Europa - e uma das maiores do mundo. Instalada em Lincolnshire, Inglaterra, ela vai produzir até 420 toneladas de verduras por ano, numa área de 5.120 m2 (equivalente a 26 quadras de tênis). 



Seu sistema de iluminação LED com foco em horticultura emite um espectro luminoso capaz de otimizar o ciclo de crescimento de cada planta, para que ela seja colhida e servida no menor tempo possível, permitindo trazer a produção de vegetais para um nível industrial, mais intensivo, o que se reflete na viabilidade comercial desse tipo de estrutura. A combinação de luz é vermelha, azul e branca – comprimentos de onda que proporcionam o crescimento da planta de forma eficiente. Além disso, as lâmpadas LED ajudam a compor um ambiente com concentração adequada de CO², onde água e nutrientes são levados diretamente às raízes das plantas. O projeto utiliza 90% menos água e 50% menos fertilizante que o cultivo tradicional. A área de plantio é isolada de contaminantes externos - até a hora da colheita, as plantas não são tocadas por ninguém, pois tudo é feito por meio de automação inteligente e robótica avançada. Enquanto isso, um sistema de análise de dados desenvolvido pela GE monitora o consumo de energia no ambiente, assim como os dados provenientes dos diversos sensores, de forma integrada.

-Gelado

Pesquisadores da Neumayer Station III, da Alemanha, comemoraram a primeira colheita de vegetais cultivados sem terra, luz solar ou pesticidas na Antártica, graças a uma estufa de alta tecnologia, que também utiliza um sistema de iluminação LED de alta performance (na imagem abaixo, o pesquisador Paul Zabel).



A lista inclui verduras, pimentão, rabanetes, pepinos e tomates, além de ervas (como manjericão, salsa e coentro), e a meta é colher de 4kg a 5kg de alimentos por semana.

-O espaço e o deserto  

Na Estação Espacial Internacional (ISS), astronautas da NASA (agência espacial americana) já estão plantando vegetais, também de olho nos benefícios (nutricionais e psicológicos) que isso proporciona em missões de longa duração. 



Mas não é só no espaço que encontramos ambientes desafiadores para o cultivo de alimentos – nosso planeta também conta com muitas regiões que sofrem com a falta de luz e de água. E, com as mudanças climáticas, isso pode se tornar um problema ainda mais comum; afinal, um dos efeitos decorrentes do aquecimento global é a desertificação. Pensando nisso, vale a pena citar como exemplo uma nova fazenda vertical que será construída em Dubai, cidade que lida com a escassez de água.



Orçado em US$ 40 milhões, o projeto prevê a produção de três toneladas de vegetais por dia. As plantas crescem graças à iluminação LED, consumindo pouquíssima água e uma solução com nutrientes específicos.
A conclusão da obra está prevista para 2020. À frente da iniciativa estão a Emirates Flight Catering e a Crop One Holdings (startup do vale do Silício, nos EUA, com foco em cultivo indoor). A ideia é servir os alimentos provenientes da fazenda vertical nos voos da companhia e no saguão do aeroporto.

-High-tech

Chang Chen-kai faz parte da nova geração de Taiwan de fazendeiros high-tech que estão aproveitando a tecnologia de ponta de diodos emissores de luz produzidos na ilha para criar vegetais em estufa sob luzes de LED. Chang trabalha em uma estufa climatizada operada pela ARWIN, uma empresa de biotecnologia, onde as plantas crescem em uma água nutritiva, em vez de terra, e a temperatura e a umidade são controladas. As luzes de LED imitam o ciclo de dia e noite. Essas fazendas high-tech produzem, em uma mesma área, uma quantidade maior do que o que seria produzido no solo e não precisam dos tradicionais pesticidas tóxicos. 



Sob as luzes de LED, as plantas crescem duas vezes mais rápido por causa da intensidade das luzes e dos nutrientes da água, dizem os fazendeiros. "Para cultivar vegetais na água (sob as luzes), você precisa de menos terra", diz Chang, "e você não precisa de pesticidas."
Essas estufas estão ganhando popularidade por cultivar tudo, desde o alface comum até a exótica Mesembryanthemum crystallinum (ou planta-do-gelo), vegetal folhoso da África do Sul que parece ter gotinhas de água em suas folhas e pode chegar a até US$ 400 por quilo.
A Urban Crops, oempresa belga especializada no cultivo interno com sistema iluminação LED se orgulha de seu sistema completamente automatizado desenvolvido em Waregem, onde centenas de diodos LED, parecidos com os que começaram a substituir as tradicionais lâmpadas incandescentes nas casas, favorecem o bom desenvolvimento de alfaces e rúculas.
No laboratório da Urban Crops, as plantas germinam em um substrato neutro e sem terra, já que ela as exporia a doenças vinculadas aos animais e a outros fatores externos. Posteriormente, uma fita transportadora as conduz a um espaço fechado, onde as plantas crescem sob a luz violeta de lâmpadas LED em um ambiente completamente controlado, e alimentadas por um sistema hidropônico, de água misturada com a receita ideal de sais minerais e nutrientes essenciais. E sem pesticidas.



Essa luz violeta, nascida da aliança dos LED vermelhos e azuis, ajuda no bom desenvolvimento dos vegetais, com a vantagem de que não produz calor, razão pela qual os diodos podem se situar a poucos centímetros das plantas. Isso também favorece a sucessão de andares de vegetais nas estantes.
A planta cresce entre duas e três vezes mais rápido que no exterior, utilizando 5% do consumo de água da agricultura tradicional.

-Por que é vantajoso?

Os LEDs também permitem que produtores escolham alguns espectros específicos de luz que necessitem - próprios para horticultura - produzindo apenas os comprimentos de onda utilizados pelas plantas (não devendo assim serem aplicados para uso geral em ambientes domésticos de nós, humanos).
As plantas usam mais luz vermelha e azul para a fotossíntese do que o verde, e o espectro de absorção das plantas pode ser efetivamente combinado fazendo uso do LED que, como fonte de iluminação em um jardim interno por exemplo, são muito mais adequados do que outras - cujas emissões de pico diferem amplamente do que é absorvido pelas plantas.

Alguns outros comprimentos de onda na luz em Led tem funções específicas para ajudar no desenvolvimento das "plantas de interior". 
Por exemplo:
-439 nm (azul) - bom para a absorção  da clorofila A
-450-460 nm (azul royal) - bom na absorção de beta-caroteno
-469 nm (azul) - bom para absorção da clorofila B
-430-470 nm  - importante para a absorção da clorofila A e B, essenciais para o crescimento vegetativo
-480-485 nm - bom para absorção do beta-caroteno
-525 nm (verde) - bom ativador fototrópico
-590 nm é fundamental para a absorção de carotenóides (compostos estruturais e nutricionais que armazenam amido)
-590 nm (vermelho) - bom para a absorção da ficoeritrina, pigmentos de clorofila responsáveis ​​pela fotossíntese
625 nm - bom para a absorção de ficocianina, um complexo de proteínas pigmentares que colhem luz para a clorofila
642-645  - bom para a absorção da clorofila B
660 nm (super-vermelho) - importante para o florescimento
666-667 nm - bom para a absorção da clorofila A
730 nm (vermelho claro)  - bom para a reciclagem de fitocromos

Os LEDs fornecem a produtores agrícolas e floricultores a oportunidade única de usar um espectro de luz que podem ser adaptados para proporcionar o máximo benefício para as plantas e ainda minimizar a energia desperdiçada na produção devido a sua eficiência energética. Diversos LEDs em diferentes comprimentos de onda podem ser combinados para fornecer uma fonte de iluminação ideal que segue a curva de sensibilidade da maioria das plantas.



Além disso, existem várias outras vantagens do uso de LEDs na horticultura, incluindo:
-Geometria: Como a radiação luminosa que cai em uma planta é inversamente proporcional à distância entre a fonte de radiação e a planta, ou seja, é vantajoso aproximar as plantas da fonte de luz. Luzes em LED podem ser colocadas mais perto das plantas do que se fosse com outras lâmpadas, porque os LEDs tem uma luz mais fria literalmente (não emitem calor excessivo) que outras luzes comuns, que produzem muito calor e queimam as folhas se postas numa distância próxima.
-Eficiência: A eficiência no gasto de energia dos LEDs é muito maior do que outras luzes de crescimento, o que ajuda consumidores a economizar em suas contas de energia elétrica.
-Durabilidade: O tempo de vida de um LED é definido como em quanto tempo ele leva para cair para 70% do seu valor original. Isso é cerca de aproximadamente 50.000 horas - muito mais do que a vida útil típica de lâmpadas fluorescentes ou incandescentes.
-Qualidade espectral: A qualidade espectral de uma fonte de iluminação LED cuidadosamente escolhida pode ter efeitos dramáticos sobre a anatomia da planta, morfologia e desenvolvimento de patógenos
-Tamanho pequeno: O tamanho diminuto e absolutamente compacto dos equipamentos em LED atuais permite ter mais opções para a instalação da fonte de luz e, consequentemente, mais espaço para o crescimento das plantas.



Vários pesquisadores experimentaram o uso de diferentes intensidades e comprimentos de onda para cultivar diferentes culturas. É importante entender que culturas diferentes podem se comportar de maneira distintas sob diversos níveis de iluminação e, diferentes receitas de luz podem ser necessárias para cada cultura, mas no geral, o uso do Led causa um aumento no crescimento das plantas. Embora a luz vermelha (de 3.000K para baixo) seja suficiente para o crescimento das plantas, a luz azul (de 4.500K para cima) é importante para aumentar a espessura das folhas e o número de cloroplastos. Por exemplo, plantas de arroz cultivadas sob uma combinação de LEDs azuis e vermelhos mostraram taxas fotossintéticas mais altas do que aquelas cultivadas sob iluminação vermelha comum.

EM CASA



Os LEDs estão a caminho de substituir os sistemas de iluminação em muitas operações novas e recém-renovadas (retrofit). Luzes de diodos emissores de luz (LED) são também frequentemente usadas para estimular o crescimento das plantas domésticas. As plantas utilizam diferentes comprimentos de onda de luz para promover o crescimento vegetativo e a floração. As luzes LED são muito eficientes e capazes de produzir o tipo de luz necessário para as plantas. A adição de algumas poucas lâmpadas verdes, embora não tão essenciais para o crescimento das plantas como o azul ou o vermelho, como mencionado anteriormente, torna mais fácil avaliar visualmente as plantas quanto a danos.

-Crescimento Vegetativo 

De acordo com o Serviço de Extensão da Universidade Estadual do Oregon, a maioria das plantas utiliza luz na parte “azul” do espectro de luz visível para promover o crescimento vegetativo. Luz com comprimentos de onda entre 430 e 460 nanômetros tem uma aparência azulada.

-Floração

O Serviço de Extensão Universitária também afirma que as plantas utilizam a luz na parte “vermelha” do espectro de luz visível para promover a floração e o brotamento. Luz com comprimentos de onda entre 650 e 700 nanômetros tem uma aparência avermelhada.

-Produtos

Fabricantes de LEDs oferecem diferentes cores de luz. Os consumidores devem comprar LEDs específicos que emitam o tipo de luz vermelha e o tipo de azul que as plantas utilizam para a floração. Luzes em Led convencionais para iluminação de ambientes internos não tem os mesmos comprimentos de ondas que os exigidos para algumas plantas por exemplo.

-Lumens 

Os lumens são uma medida usada para medir a intensidade da luz de uma fonte de luz. De acordo com os serviços especializados, os LEDs produzem uma quantidade generosa de 20 lumens por watt de energia consumida. O Sol é uma fonte de luz muito produtiva para estimular o crescimento das plantas porque o sol emite uma luz branca extremamente intensa. A luz branca do Sol também emite todas as cores de luz no espectro visível, incluindo azul e vermelho.

-Luz natural

Estima-se que entre 30 a 50% da radiação solar seja bloqueada por estruturas de efeito estufa e envidraçamento, antes de chegar às plantas. Em áreas com invernos longos e escuros e temporadas de crescimento curtas, este é um desafio ainda maior e requer o uso de iluminação suplementar para otimizar os cuidados com as plantas. Quais as melhores fontes de iluminação para operações internas? Os LEDs.

-Custos

Os LEDs são 66% mais eficientes que as lâmpadas HPS (sódio de alta pressão). Se você incluir o controle remoto oferecido por alguns LEDs - que não estão disponíveis nas luzes HPS - a eficiência de energia será ainda maior. Economiza-se de 75 a 80 por cento em relação as HPS. De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), os custos de energia são a terceira maior despesa para a grande maioria dos produtores por exemplo, com os custos de iluminação representando uma parte significativa disso.

-Maiores e melhores

Sistemas de iluminação oferecem controle binário. Ou seja, ou eles estão ligados ou estão desligados. Se estiverem ativados, eles emitem o mesmo espectro fixo para cada planta, embora possam variar em intensidade, dependendo do período de tempo de substituição (lâmpadas antigas significam menor intensidade). Então, cada planta basicamente obtém a mesma saída espectral que todas as outras, mesmo que você tenha variedades diferentes no mesmo espaço. Se você não dá a todas as plantas os mesmos nutrientes, por que você lhes daria a mesma luz?

-Calor

No lado positivo, você pode colocar a lâmpada LED diretamente nas plantas sem queimá-las com calor. Então a intensidade da luz será tão boa quanto possível. Plante por exemplo algumas sementes e experimente. Se não der o resultado que você quer, você não terá consumido muita eletricidade a toa. Colocar um espelho ou outra superfície reflexiva debaixo das plantas também ajuda a refletir melhor a luz nas folhagens.

-Sabor

Com o LED, hardware e software podem criar fórmulas ou receitas leves exclusivas para destacar as características das plantas que eles sabem que as tornarão mais comercializáveis. Por exemplo, na empresa LumiGrow, recentemente realizaram um pequeno estudo com manjericão. A equipe de pesquisa cresceu o manjericão sob cinco diferentes tratamentos de luz. Em um teste de sabor cego, eles encontraram uma diferença muito perceptível no resultado dependendo de qual porcentagem de luz foi usada, notando que a luz azul produzia um manjericão de sabor mais picante, aromático e saboroso. O controle de espectro da Luz, obtido com o Led, é o novo “molho secreto” que os produtores estão usando para produzirem os alimentos e flores diferenciados que seus clientes tanto desejam.

-Saúde

LEDs significam um ambiente de trabalho mais saudável.
A capacidade de orientar o crescimento das plantas com LEDs significa que há menos necessidade de hormônios vegetais. Além de reduzir a necessidade de hormônios, alguns estudos mostraram que os LEDs também podem reduzir ou eliminar a necessidade de pesticidas, beneficiando ainda mais os trabalhadores, que não precisam mais ficar expostos a essas substâncias tóxicas. A redução do calor destinado às plantas significa menos evaporação e menos fertilizante, de modo que a exposição ao "ensopado químico" é reduzida. Reduzir o uso de hormônios vegetais, pesticidas e fertilizantes em espaços confinados, como estufas e operações de cultivo interno, significa um ambiente mais saudável para as pessoas que lá trabalham.

-Paisagismo

Por fim, ao explanarmos todo este cenário da relação de Led com o verde, damos várias amostras de que a iluminação eficiente em Led realmente traz benefícios incontestáveis ao nosso dia-a-dia, inclusive a saúde!
E ao falarmos também da estética da luz em Led nas plantas e flores?
Aí entra o projeto luminotécnico para paisagismo.
Um pouco diferente do conceito de cultivo "in door" ou "plantas de interior", o paisagismo em Led cuida do cênico, aliado a segurança nos ambientes externos abertos, com muita vegetação. E mesmo em lugares em que não se pretenda criar um verdadeiro jardim fechado, mas sim ter alguma vegetação decorativa pontuada, vale o mesmo conceito de iluminação em Led a projetos convencionais: a Função do ambiente deve prevalecer ante o "detalhe pequeno" , de modo que este não interfira no projeto luminotécnico como um todo. Então, se quiser dar destaque para aquela samambaia de metro pendurada no canto da sala, pontue-a com uma luz em Led amarela 3.000k por exemplo, e respeite todas as outras indicações da planta técnica. Já do lado de fora, deve-se aliar sempre a boa iluminação no destaque da vegetação (e isso considera também a correta temperatura de cor, para não deixar as folhagens do local "lavadas", com o tom errado de luz) a segurança na circulação de pessoas, dependendo o projeto. Considerando que a Luz em Led não traz malefício algum aos vegetais de maneira geral, como no jardim elas serão acesas apenas a noite, praticamente não existem motivos para preocupações com supostos "efeitos colaterais", a não ser em possíveis erros de projetos que causem uma má aplicação da correta função da luz, para cada equipamento em Led especificado no projeto - algo que todo profissional em luminotécnica deve obrigatoriamente evitar.


Andre Caixeta em projeto luminotécnico para a Universidade Mackenzie

A Codlux® tem em seu expertise vários atendimentos feitos por Andre Caixeta e Marcos Britto em projetos paisagísticos, como o realizado por ambos a Universidade Mackenzie de São Paulo (imagem abaixo).


Veja também outro exemplo de projeto em Led para jardins realizado pela Codlux® AQUI.

Leia mais postagens publicadas no Blog sobre paisagismo AQUI.


LUZ QUE TE QUERO VERDE! 
Outras relações curiosas da luz artificial com as plantas 

Iluminação 

Uma luminária que lembra as estufas caseiras, mas com um design elegante e original e reforçada pela tecnologia. Assim é a Viride (imagem abaixo), do estúdio Goula Figuera. Composta de um ou mais painéis de LED com um esquema de cores adequado para interiores e, ao mesmo tempo, conveniente para o crescimento de plantas.



As luzes podem ser programadas para ligar e desligar periodicamente, garantindo que cada planta recebe a quantidade adequada de iluminação. Possui também um pequeno motor que gira em baixa para garantir iluminação homogênea, além de um umidificador ultrassônico, para ambientes mais secos ou com pouca ventilação. 

Cultivo 

Cientistas da Lituânia descobriram que uma iluminação à base de LEDs, aplicado durante apenas três dias, é capaz de melhorar a qualidade nutricional de verduras e legumes, principalmente dos vegetais verdes folhosos. A tecnologia com tratamento dos vegetais com luz poderá ser aplicada em estufas para reforçar os nutrientes dos vegetais no período pré-colheita. O experimento foi feito em plantações de alface, orégano e cebolinha. Os vegetais foram cultivados em estufa, sob luz ambiente, com um reforço de iluminação noturna com uma lâmpada de vapor de sódio. Nos três dias anteriores à colheita, os vegetais receberam a iluminação noturna de um conjunto de diodos emissores de luz, os LEDs, lâmpadas de estado sólido de baixo consumo de energia, do mesmo tipo encontrado na maioria dos aparelhos eletrônicos.



O resultado foi uma redução no nível de nitratos nos vegetais que variou de 44 a 65%. Além de diminuir a concentração de nitratos danosos à saúde, o fluxo de fótons de alta densidade gerado pelos LEDs também elevou os níveis de nutrientes dos vegetais. Segundo Giedre Samuoliene, coordenador da pesquisa, a tecnologia é diferente da já difundida prática das lâmpadas de sódio (que tem maior quantidade de calor radiante), já que os LEDs têm luz fria, permitindo uma maior intensidade na fotossíntese. Além disso, a técnica exige um tratamento curto, pouco antes da colheita, em vez de uma iluminação durante o ciclo completo da cultura.



No centro da cidade de Paris, a startup Agricool cultiva morangos com luzes LED. Ela desenvolveu uma tecnologia para produzir morangos sem necessidade de exposição solar, nem tão pouco de terra. Na rua Louise-Weiss, em Paris, foi colocado um contentor revestido a madeira, onde os morangos crescem graças a um sistema de luzes LED. Quem já provou elogia o sabor.


Flores 

A iluminação artificial de intensidades mais elevadas está sendo usada atualmente para as culturas de gerbera, principalmente devido aos custos relativamente baixos das lâmpadas LED, ainda mais eficientes. A fim de obter informações sobre o aumento da produção com vários sistemas de iluminação de alta capacidade, um experimento foi realizado com três sistemas de iluminação. Uma cultura de gérbera foi combinada com luzes de HPS e LED, em três estufas de 144 m2. Diferentes pontos de ajuste de luz e temperatura foram usados ​​para investigar os efeitos da soma das luzes e dos espectros de luz em combinação com a temperatura do ar de estufa, junto a temperatura da planta no crescimento, desenvolvimento e sua produção. 



Esperava-se que uma temperatura mais baixa na planta sob iluminação HPS com temperatura do ar também baixa, resultasse em um crescimento mais generativo, mas isso não ocorreu. Mesmo assim, a gerbera sob HPS durante os meses de inverno produziu mais flores sob iluminação conjunta HPS e LED. Embora os produtores suspeitassem que, sob iluminação LED a infecção por botrytis poderia aumentar (devido à falta de calor irradiante para a cultura), nenhum aumento na infecção por botrytis foi de fato observado. Medidas adicionais de temperatura do ar e da planta sob iluminação de LED e HPS foram realizadas para investigar a influência de ambos os fatores na taxa de iniciação e desenvolvimento de flores gerbera. Estes resultados estão sendo apresentados e discutidos gradualmente na comunidade à luz da otimização das condições de cultivo para gerbera.

Experimentos 

E se, em vez de um abajur, você tivesse no criado-mudo ou junto ao sofá um vaso para iluminar o ambiente? Essa realidade pode estar um pouco distante, ainda, mas a ideia já começa a ganhar forma. Engenheiros do MIT (Massachusetts Institute of Technology) criaram plantas que emanam luz.
Eles já conseguiram fazer com que pés de agrião brilhassem por quatro horas. Para fazer o agrião emanar luz, os cientistas usam uma enzima chamada luciferase – a mesma que faz os vagalumes brilharem. Essa enzima faz com que moléculas chamadas de luciferina emitam luz. Uma outra substância, chamada de coenzima A, ajuda no processo. 



Segundo o MIT, tentativas anteriores de criar plantas luminosas haviam se baseado em engenharia genética, o que era mais trabalhoso e ficava limitado a uma espécie de planta. Com essa nova técnica, os cientistas da engenharia química do MIT já conseguiram fazer com que rúcula, couve e espinafre também brilhem. Com mais estudos e pesquisas, os cientistas esperam que as plantas possam iluminar ambientes inteiros. Eles ainda querem desenvolver uma maneira de “pintar” ou aspergir essas substâncias nas folhas das plantas. Assim, até árvores poderiam substituir postes de luz nas ruas, ajudando a levar luz mesmo a lugares onde a eletricidade não é de fácil acesso.

Arquitetura 

O telhado do seu prédio ou o quintal de sua casa poderá ter um jardim que, além dos benefícios como o visual e clima mais agradáveis, geraria também eletricidade! Essa é uma das propostas da empresa holandesa Plant-e, que oferece produtos baseados em uma tecnologia que permite gerar eletricidade de plantas vivas.



Durante a fotossíntese, as plantas produzem material orgânico que é eliminado no solo pelas raízes. Entram em ação microrganismos, como bactérias, encontrados naturalmente no solo: eles “quebram”, ou decompõem, esse material e, no processo, liberam elétrons que são então utilizados para gerar eletricidade.
Segundo a empresa, pesquisas mostraram que as plantas não são prejudicadas pela “colheita de elétrons” e podem crescer normalmente enquanto a eletricidade é gerada. A tecnologia foi desenvolvida na Universidade Wageningen, na Holanda, e patenteada.

Design 

O designer holandês Ermi van Oers criou a Living Light, uma lâmpada que usa uma planta para produzir a sua eletricidade. Sim, é isso mesmo que você leu. Esta lâmpada acende utilizando a energia produzida por plantas no processo de fotossíntese. A tecnologia foi apresentada na Dutch Design Week e promete revolucionar o mercado com sua autossuficiência, que dispensa uma tomada como fonte de energia. O sistema, baseado na chamada energia microbiana, já está sendo utilizado em cidades como Roterdã, Holanda para iluminar parques. “O potencial desta lâmpada é enorme. As luzes de rua poderiam ser conectadas a árvores. As florestas poderiam se tornar usinas de energia. Campos de arroz na Indonésia poderiam produzir alimentos e eletricidade para a população local”, afirmou o profissional. 



Conforme uma planta faz fotossíntese, suas raízes liberam compostos orgânicos. Ermi van Oers “alimentou” o solo com bactérias que interagem com esses compostos e liberam elétrons que são transportados por um fio ligado ao vaso e conectado a um anel de LEDs. Quando um usuário toca as folhas da planta, o processo se intensifica e a luz se acende. Apesar de ser uma solução inovadora e sustentável para o problema energético, o desafio é a quantidade de energia necessária para abastecer grandes regiões. E, claro, muitas plantas são necessárias para se acender uma lâmpada. Isso porque, embora a planta possa produzir energia sempre que em contato com a luz solar, ela leva um dia inteiro para produzir a quantidade energética necessária para acender uma lâmpada por 30 minutos. Eis o próximo desafio que os pesquisadores estão tentando resolver.

Futurista 

Se você mora em um apartamento na cidade sem muita luz solar, começar um jardim pode ser um desafio. A lâmpada Mygdal da Nui Studio , um coletivo de design em Halle, na Alemanha, parece a solução perfeita. É completamente livre de manutenção - pode cultivar plantas sem luz solar ou água. A lâmpada LED pode aumentar qualquer tipo de planta pequena, diz a co-fundadora do estúdio, Emilia Lucht, à Tech Insider. A base de alumínio armazena a água e periodicamente a alimenta ao leito do solo. A equipe projetou uma versão de 13 x 10 polegadas que trava e uma versão de 27 x 19 polegadas. O vidro feito à mão tem uma cobertura eletricamente condutora, o que faz com que pareça estar brilhando por todos os lados. 



O jarro é um ecossistema exuberante e autossustentável. No lugar da claridade natural, a luz LED é calibrada para entregar exatamente o tipo de brilho necessário para manter o ornamento vivo. Os modelos são comercializados em formatos que lembram obras de arte. A ideia é oferecer design perfeito para encaixar até plantas mais exóticas. As lâmpadas LED são posicionadas de maneira que a planta será iluminada de maneira adequada. De maneira inteligente, as luzes desligam e voltar a ligar dependendo da necessidade energética do vegetal. Modelos como o Viride Uno têm um painel único para iluminar plantas aéreas. Elas crescem longe do solo e obtêm nutrientes do ar.

Inovação 

O escritório de design BIG volta a colaborar com a Artemide, desta vez para a concepção da “Gople”, uma luminária transparente em forma de pílula que promete nutrir o ambiente, aumentando a vida das plantas e também a percepção dos humanos no espaço circundante. A Gople Lamp reconcilia os espaços com a natureza através da sua luz. Seu corpo é feito de um vidro soprado na boca -  produzido de acordo com uma antiga técnica veneziana tradicional - e inclui uma tecnologia de luz em Led  RWB patenteada em 2010, que ajuda as plantas a crescerem, criando também efeitos cênicos ou de ambiência, além de uma iluminação branca mais funcional. Em vez do led multicolorido RGB tradicional (Red. Green, Blue - Vermelho, Verde, Azul) usa-se o RWB (Red, Withe, Blue - Vermelho, Azul, Branco), bem melhores para as plantas. 



O sistema RWB, patenteado em 2011, é um novo paradigma, uma maneira diferente de abordar a luz colorida - não mais RGB (vermelho-verde-azul) para o bem-estar psicofísico do homem, mas sim RWB (vermelho-branco-azul) para uma luz que é respeitoso do homem e do meio ambiente. Gople Lamp RWB calibra suas emissões de acordo com os valores de PPFD necessários em duas fases onde o fornecimento adequado de luz é crucial: a fase de multiplicação é acompanhada por radiações azuis com comprimento de onda de 425-450 nm, enquanto a fase de florescimento é suportada por radiação vermelha entre 575 e 625 nm.

O caso da Pimenteira  

Esta linda pimenteira da "A Kuka Vai Pegar", um charmoso Café-Bar aqui ao lado da Codlux®, estava meio caidinha em um cantinho, quando foi colocada cerca de 20 cm abaixo de uma lâmpada Led PAR 20 de 3.000K - instalada em um pendente aramado para dar destaque aos deliciosos bolos e salgados.



As pimentinhas já estavam secando, as folhinhas caindo, mas surpreendentemente, ela reagiu muito rápido, florindo em uma semana, aumentando o viço de suas folhas e dando frutos em bem menor tempo!



Deixamos ela por várias semanas debaixo desta luz em Led, e o que percebemos foi uma notável reação da planta ao estímulo que o Led amarelo oferece - o que, pelo menos para nós da Codlux®, comprovou na prática que as plantas gostam muito da luz em Led.

Conclusão: 


Todo Led bem aplicado hoje em sua casa ou empresa não fará mal algum as suas flores e plantas, podem ficar tranquilos!

Um maravilhoso início de Primavera a todos!




Compilação by Robson Giro especial para a Codlux® - Luz em Led


Fontes: Gardening Stack Exchange, GPN Mag, Sciencing, Maximum Yield, ISHS (actahort.org), Todays Homeowne, Época Negócios, Catraca Livre, Businessinsider, Casa Vogue, Inovação Tecnológica, G1, Showmetech, UOL, Euronews          


Mais lidas

Ring Light Codlux® - Poderosa, Exclusiva e Edição Limitada!

Beauty Light, Makeup artist, MakeUp, Maquiagem, Youtuber, Cabeleireiros...  Estas são as hashtags que mais bombam na internet atualmente.
E o nome disso é o sucesso absoluto alcançado pelos chamados Influenciadores.
São eles agora que ditam as regras não só do que você vai usar mas principalmente, como deverá usar!
Tutorials e mais tutorials se espalham de graça pela rede para quem quiser atualizar-se com as tendências, inadiáveis.
Porque o tempo voa. Você não quer esperar.

Foi pensando nisso que o expertise da Codlux® em Adequação e Desenvolvimento encontrou a solução ideal e, principalmente, mais econômica para a falta de uma Ring Light de qualidade e com preço imbatível no mercado:

Apresentamos a
RING LIGHT CODLUX® 



Uma solução em Led profissional para um equipamento surpreendentemente eficaz! O alcance potente e difuso da Ring Light Codlux® deixa as makes e videos com o efeito de Luz ideal para que a sua ideia ganhe Vida e Brilho de verdade!
Em salões de Cabeleireiros, ela é usada…

Lâmpada Led com INMETRO vale a partir de hoje para todos!

Hoje é dia 17 de janeiro de 2018.

Uma data importante para o mercado da iluminação e principalmente para você consumidor: a partir de hoje, lâmpadas em led não poderão mais ser comercializadas para o consumidor final sem o selo e respectiva certificação do INMETRO, segundo sua portaria de nº144/2015. Esta medida vem sendo anunciada desde 2015 e implementada ao londo de 2016 e 2017 para aí sim, ser finalizada neste ano de 2018.

Visando maior segurança e confiabilidade do produto para o consumidor/usuário final, seguiu-se um cronograma rígido para o fim da comercialização de lâmpadas led sem o selo do INMETRO e as seguintes datas limites tiveram que ser seguidas:

- 17 de fevereiro de 2016 - prazo máximo para colocar as mercadorias no porto de origem rumo ao Brasil

- 17 de outubro de 2016 - prazo máximo para o fabricante/importador vender para o lojista

- 17 de setembro de 2017 - prazo máximo para o grande lojista/atacadista vender para o pequeno lojista/consumidor final

- 17 de janeir…

A Força do Led na Terra! E na sua Casa...

Fontana Di Trevi, Roma.
Fevereiro de 2017 
Esta fonte é um dos charmes de Roma para quem caminha entre as ruas da capital italiana.
A iluminação dourada que vem de seus tradicionais Lampiões dá o tom nostálgico e glamoroso.
Mas isto logo irá mudar!
A cidade trocará este sistema antigo por lâmpadas de LED.
O objetivo é economizar na conta de luz em milhões de euros, segundos as autoridades.
Há quem diga que a nova iluminação é muito clara e desconfortável: o arquiteto renomado Paoplo Portoghesi, da Universidade La Sapienza, chamou a decisão de "um insulto à sensibilidade e inteligência" dos romanos, por intervir num aspecto sensível da cidade.
- É um grande erro - disse, ao 'Telegraph', Salvatore Nicastro, garçom de um café no centro histórico de Roma. A visão de "La Dolce Vita" dos Anos 50 está comprometida, segundo ele.

2014.
Algo parecido ocorre em Porto Alegre com a nova Iluminação Led a ser instalada na Avenida Borges de Medeiros: os icônicos postes…

Erros de Projeto: precisamos conversar sobre isso.

Uma publicação compartilhada por Codlux - Luz em LED (@cod_lux) em Out 6, 2017 às 3:16 PDT
A coisa não está fácil pra ninguém.
Economizar hoje, agora, deixou de ser apenas mais uma opção para tornar-se a realidade inadiável quando se tratar da execução de nossos Projetos de Vida.

No caso da Iluminação de ambientes, podemos agora mesmo estar gastando muito, mas muito mais dinheiro que imaginamos quando pensamos somente em economizar.
Como?

A Codlux® preparou este post especial sobre o assunto aqui no Blog para ajudar você a ficar alerta a alguns erros básicos que podem ser cometidos em um Projeto Luminotécnico.

Juntamos em uma compilação as melhores citações ao tema postadas aqui neste Blog, com dicas de nossos profissionais Andre Caixeta e Marcos Britto.

Aproveite a leitura e um bom planejamento de projeto para você, juntamente é claro, com o nosso expertise: o desenvolvimento de projetos da Codlux®.



Foi no dia 17 de Abril de 2017 que criamos o Blog Codlux®.
De lá pra cá, já foram pu…

Água: pura, simples... e finita!

Hoje é dia 22 de março, importantíssima data em que se comemora o Dia Internacional da Água.

Todos nós sabemos como é importante cuidarmos da Água em nosso planeta e o quanto se faz necessário compartilharmos todo Alerta importante, por mais óbvios que possam parecer.
Achamos até que, por causa desta mesma obviedade, as pessoas deixam passar certos cuidados básicos com a Água, como evitar o seu desperdício, tomar cuidado com toda água contaminada, cobrar dos governos e das empresas atitudes mais responsáveis no trato dos recursos hídricos etc...

A Codlux® preparou este post especial sobre um assunto tão importante aqui no Blog para ajudar você a orientar-se melhor quanto ao urgente alerta global.
Abordaremos com números e dicas todos os aspectos do tema e atualizaremos a postagem regularmente.
Porque o nosso tempo está ficando cada vez mais curto para solucionarmos as futuras crises que já se alinham no horizonte de nossa civilização moderna.
Ajude a preservar este recurso tão vita…

Interfab Retail Design & Industry e Torre Forte Comunicação Visual

Interfab Retail Design & Industry e Torre Forte Comunicação Visual:
Usando nossos Insumos em PCBs Led para seus Clientes. Duas grandes empresas no ramo do Marketing Corporativo e Comunicação Visual escolheram a Codlux para fornecer componentes Led a seus produtos e serviços.






Nossa sinalização visual e a de outras empresas foram confeccionadas pela Torre Forte também usando estes PCBs.







Em nossos escritórios, usamos os PCBs pousados em perfilados e voltados para o teto com efeito de iluminação indireta. A reflexão de sua luz preenche muito bem os ambientes de forma difusa, eficiente e muito confortante.





PCB 10W em Led - equivalente a 40W de uma lâmpada fluorescente.



Os Módulos de 3 Leds também são muito procurados devido a seu baixíssimo consumo e fácil aplicação nas mais diversas finalidades.

Showroom Codlux®: Em exposição e a sua disposição.

A CODLUX® ESTÁ SEMPRE ACESSÍVEL PARA VOCÊ. 

Visite-nos! 
A Codlux - Luz em Led, tem o seu Showroom localizado no bairro de Pinheiros - ao lado da estação de Metrô Faria Lima (Linha 4 Amarela).

Seu horário de funcionamento é de segunda a sexta, das 09h00 as 18h00. Lá você pode entrar em contato direto com os nossos profissionais em luminotécnica e também conhecer muitos dos produtos disponíveis em nosso site codlux.com.

Uma publicação compartilhada por Codlux - Luz em LED (@cod_lux) em Set 14, 2017 às 7:35 PDT


Caso necessite agendar uma visita fora do horário comercial, pode solicitá-la previamente por telefone (sujeito a confirmação).

ENCONTRE-NOS!
A Codlux® situa-se em uma região revitalizada na cidade de São Paulo:


Rua Cardeal Arcoverde nº 2859, Pinheiros - São Paulo - SP

CEP 05407-004

Entre a Estação Faria Lima do Metrô no Largo da Batata

e o Shopping Eldorado.


Segunda a Sexta, das 09h00 as 18h00

Pagamento: Boleto, Depósito Bancário, Rede Shop e principais Cartões de Crédito.

Contate-…

A Codlux® precisa da Sua Opinião

Nós da Codlux - Luz em Led somos profissionais que prezamos pela Atenção Máxima dedicada aos Nossos Clientes.

Sabemos que suas dúvidas, por mais simples que sejam, tem por trás um anseio na certeza em estarem realmente tomando a decisão correta, o que nos Encoraja cada vez mais a Aprimorarmos nosso Aprendizado Diário para sanar todas as questões que possam envolver seus Projetos Luminotécnicos, com a Garantia que Profissionais com mais de 15 Anos no Mercado da Iluminação podem oferecer.

E o meio para isto tudo é o nosso Pós-Venda.

Ele continua aqui, também neste Canal.

Por Gentileza, deixe sua Dúvida, Crítica, Opinião, Sugestão ou Mensagem clicando na imagem acima.

Se preferir, envie um e-mail para o nosso SAC: sac@codlux.com

A Codlux - Luz em Led está sempre Acessível para você.

Furto de LED

Antes de começarmos a falar sobre o assunto, preste bem atenção nestas notícias:


Pega ladrão de led!!!
23/05/2017



Um homem de 21 anos foi preso pela Polícia após ter furtado lâmpadas de led em dois estabelecimentos comerciais da cidade de Manhuaçu na madrugada de terça-feira dia 23/05 em uma loja do Centro da cidade. O autor foi identificado pelos policiais conduzido à delegacia, mas a lâmpada já havia sido vendida. Na madrugada seguinte ele agiu novamente mas, desta vez, policiais estavam de patrulha no bairro e viram que o indivíduo portava-se de forma suspeita ao perceber a presença da PM, sendo abordado e uma luminária de led encontrada com ele, que afirmou que havia retirado a lâmpada de um poste que fica em frente a um hotel. O autor foi preso novamente e conduzido à delegacia onde foi autuado.


Ciclovia em Curitiba tem iluminação Led roubada!
09/08/2017



Bandidos serraram os postes (!!!) para levarem as peças de um lote furtado (36 unidades até agora) avaliado em R$64,4 mil.
A solu…

Volta às Aulas Codlux®

Está chegando a Volta às Aulas.

Em São Paulo, o ano letivo se dará em 1º de fevereiro e o primeiro semestre terminará dia 27 de junho para todas as cerca de 5 mil unidades de Ensino Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos.
Já as aulas regulares do segundo semestre têm começo agendado para 1º de agosto.

Para garantir o cumprimento dos 200 dias letivos, previstos na Lei de Diretrizes e Bases (LDB), as escolas encerraram a programação pedagógica dia 20 de dezembro último.

As escolas recebem matrículas de novos alunos interessados em ingressar na rede estadual durante todo o ano letivo. Para fazer o cadastro, basta se dirigir à unidade de ensino mais próxima e preencher o formulário. É indicada a apresentação de documento de identidade (certidão de nascimento e RG) e comprovante de residência. No caso de alunos menores de idade, o cadastro deve ser feito por pais ou responsáveis.


Prioridades

Se você é um pai ou mãe, isso significa despesas para compras de materiais e mensalidad…