Pular para o conteúdo principal

Celebrando a Luz, celebrando Thomas Alva Edison

Olá!

Em 11 de Fevereiro de 1847 nascia Thomas Alva Edison, um dos maiores inventores da história e aquele a quem a Codlux® considera o Pai da iluminação Moderna! Nosso Blog destaca sempre oportunamente todo o Legado de Thomas Edison, através de seu marcador CELEBRANDO A LUZ, onde contamos muitas histórias interessantes sobre a Lâmpada Elétrica -  da Incandescente ao Led.



Neste post, além de mais fatos sobre a lâmpada de Edison, destacaremos suas outras invenções, que tem um toque visionário inacreditável e resistem até hoje, mesmo que nós não as percebamos como quando assistimos um video no YouTube ou ouvimos uma música no Spotify por exemplo - sim, você não sabia mas, nestes e em muitos outros casos, temos uma das invenções de Thomas Edison no DNA de produtos e serviços da atual era digital!

FONÓGRAFO

O inventor em 1912 com o que ele chamou de Edison Business Phonograph

No final, eles chamariam de fonógrafo. Mas, poderia ter sido omphlegraph, significando "escritor de voz". Ou o antifone (falante traseiro). Ou o telefone didasko (professor portátil). Esses são alguns dos nomes que alguém escreveu em um diário de bordo no laboratório de Thomas Edison em 1877, depois que Edison e seus assistentes inventaram a primeira máquina rudimentar para gravar e reproduzir sons. Desde o início, eles pensaram que seria usado para reproduzir a voz humana, mas não tinham uma ideia clara de seu objetivo e função exatos. Edison disse uma vez:

"Qualquer coisa que não venda, eu não quero inventar"


Mas toda a sua vida, ele foi um inventor melhor do que vendedor. O fonógrafo, sua primeira invenção a torná-lo mundialmente famoso, é um exemplo perfeito. Era o produto de uma mente bem preparada, mas errante. Foi também o resultado de uma incrível explosão de criatividade. Numa noite de julho de 1877, enquanto relaxava com seus assistentes após o jantar regular da meia-noite, Edison teve uma ideia. Eles estavam trabalhando com maneiras de usar tiras de papel para fazer um registro de mensagens telegráficas. Por que não adaptá-los para registrar as vibrações do diafragma no bocal de um telefone? Pensando em voz alta, Edison sugeriu prender uma agulha na parte de trás do diafragma e montá-la acima dos rolos para as tiras de papel. Falar no bocal faria com que o diafragma se movesse, o que, por sua vez, faria com que a agulha inscritasse entalhes nas tiras. Se o papel fosse puxado pelos rolos novamente com a agulha apoiada na ranhura, os recuos moveriam o diafragma anexado, o que deveria reproduzir o som original. Os assistentes de Edison começaram a trabalhar. Dentro de uma hora, eles tinham um dispositivo que tentava recitar "Mary tinha um cordeirinho" ao telefone. No primeiro teste, tudo o que se podia ouvir na reprodução era um "ary ad ell am". Mas isso foi encorajador. A equipe continuou trabalhando a noite toda, brincando com o dispositivo - e assim ocorreu a primeira sessão de gravação à meia-noite. Mais tarde, Edison e sua equipe substituíram o papel e os rolos por papel alumínio, enrolado em um cilindro acoplado a uma manivela. Mas Edison não considerava a máquina promissora comercialmente. Na melhor das hipóteses, ele pensou que poderia ser uma máquina de escritório que permitisse aos empresários ditarem letras. Quando a palavra da invenção se espalhou no entanto, o mundo exterior viu maiores possibilidades. Os mortos poderiam falar conosco, eternamente! Os colecionadores podiam manter o que o New York Times chamava de "oratório bem abastecido". Mas, o fonógrafo primitivo que Edison demonstrou para os editores da Scientific American em dezembro permaneceu extremamente limitado em sua capacidade de gravação. Ainda assim, os editores estavam empolgados o suficiente para publicar um boletim de admiração sobre o dispositivo - uma primeira tentativa que provocou uma avalanche de publicidade. Um repórter escreveu a ele: "Quero muito conhecê-lo", e todo mundo também.



Os investidores o vislumbravam em um novo empreendimento, a Edison Speaking Phonograph Co. Mas ele logo perdeu o interesse em transformar o fonógrafo em um produto vendável. A empresa introduziu um modelo de brinquedo que funcionava mal e era caro, usado apenas por pessoas do show business que alugavam salas de concerto para demonstrar a máquina maravilhosa a um público pagante. O equipamento quebrava com freqüência e exigia manutenção constante de um técnico treinado. Dez anos se passaram antes que Edison retornasse ao seu fonógrafo, somente depois que um concorrente desenvolveu um cilindro revestido com cera e que poderia ser removido sem estragar a gravação, algo impossível de se fazer com o delicado papel alumínio de Edison. Para ele, a ideia de que sua invenção mais querida enfrentava competição era insuportável. Ele começou a trabalhar no que chamaria de fonógrafo aperfeiçoado. Quando ele o introduziu no mercado em 1889, tocou música lindamente. Os apoiadores de Edison tentaram convencê-lo de que o novo fonógrafo poderia ser comercializado para fins de entretenimento, mas Edison não conseguia deixar de lado sua convicção de que o equipamento era destinado a escritórios. Os concorrentes avançaram mais adiante, desenvolvendo um novo meio de gravação, o disco, e correndo para contratar artistas musicais para contratos de gravação. Eventualmente, Edison reconsiderou e ingressou no mercado de música gravada - um negócio para o qual ele era pouco adequado como homem que desaprovava a maioria dos gêneros de música popular da época. Ele descartaria as "seleções miseráveis ​​de dança e ragtime" e descrevia o jazz como algo para "malucos". Outro concorrente logo surgiu, a Victor Talking Machine Co. e sua Victrola. E enquanto Victor construiu um cast de artistas musicais notáveis, Edison não estava disposto a pagar os adiantamentos de royalties necessários para recrutar estrelas famosas. Na década de 1920, o fonógrafo de Edison enfrentou um novo desafio, o rádio comercial. Outras empresas de fonógrafo introduziram rádios em seus catálogos de produtos, mas Edison recusou-se a fazê-lo, não querendo nada com a "qualidade de som inferior daquela mídia". Ele só cederia mais tarde, mas sua mudança chegou tarde demais: em meio à crise da bolsa de 1929, um ano depois sua empresa de rádio interromperia toda produção. Edison morreu um ano depois. A indústria da música em que ele havia posto em movimento viveu, evoluiu para estéreo, iPods e streaming de música. Ele tornara tudo isso possível, sem nunca ter entendido como realmente tirar o máximo proveito financeiro de sua genialidade.

FILMES

Embora Edison não tenha inventado o Vitascope, sua empresa o fabricou e comercializou

No final da cinebiografia da MGM em 1940, "Edison, o Homem", estrelado por Spencer Tracy foi um momento de honra as realizações de Thomas Edison na tela. "Fluoroscópio! Mimeógrafo! Bateria de armazenamento! Máquina de projeção! Fotos falantes! E então, o cerne da questão para a indústria cinematográfica: filmes!" Na sua idade de ouro, Hollywood estaria assim prestando sua homenagem ao homem que, quase meio século antes, possuía o gênio e a previsão de inventar os filmes. Não era uma história tão simples. Os filmes amam um herói solitário, e Edison não o era. Uma de suas invenções mais duradouras foi a própria definição do inventor como super-homem americano, com ele próprio no papel principal. Mas, o nascimento do cinema teve muitos "obstetras": Etienne-Jules Marey e os irmãos Lumière na França, William Friese-Greene na Grã-Bretanha, Eadweard Muybridge nos EUA - esses e outros contribuíram para a "invenção" do cinema. O mesmo aconteceu com alguns funcionários de Edison, que foram obscurecidos pela luz estrelar de seu chefe. O Mago de Menlo Park anunciou em 1888 que estava trabalhando em "um instrumento que fará pelo olho o que o fonógrafo fez pelo ouvido".



Em alguns anos, ele e seus associados desenvolveriam uma câmera de filme, conhecida como cinetógrafo (cinematógrafo), e um dispositivo para assistir filmes, o cinetoscópio e o uso de filme de 35 mm e rodas dentadas para prendê-lo a uma câmera - uma inovação de sua empresa. Os filmes de Edison incluem alguns dos títulos mais conhecidos do cinema, entre eles O Beijo, A Dança de Fátima e O Grande Roubo de Trem. Experimentando som, cor e efeitos especiais em uma variedade de gêneros, eles são os ancestrais claros do próximo século de filmes que viria a seguir. Os historiadores ainda debatem a extensão da participação de Edison no processo. O que é evidentemente inquestionável foi a crença errônea de Edison de que "o futuro dos filmes está no cinetoscópio", que permitia apenas um espectador de cada vez para assistir o filme, em vez de imagens projetadas em uma tela para uma grande platéia. O brinquedo de Edison do século 19, exibindo curtas-metragens de concursos para comer melancia e gatos com luvas de boxe, foi realmente o prenúncio de uma novidade que viria no século 21: o YouTube! O desafio da exibição de filmes sempre foi criar uma sensação imperdível. À medida que o cinetoscópio migrava para os salões de música e os fliperamas, os filmes de Edison, dirigidos por Dickson, William Heise, Alfred Clark e Edwin S. Porter, se divertiam com vistas e efeitos sensacionais. O cinetoscópio oferecia mais sexo e violência do que uma audiência de massa já havia visto antes. Os filmes variavam de minidocumentários (bombeiros em uma casa em chamas) a  diários de viagem. Os diretores de Edison também produziram lutas de boxe e lutas de galos.

LÂMPADA



Thomas Edison exibe uma réplica de sua primeira lâmpada incandescente de sucesso 

Embora Edison seja normalmente citado como "o pai da lâmpada", é mais correto dar crédito a Edison como "criador da primeira lâmpada comercialmente viável". Isso porque, já em 1820, outros inventores estavam se baseando nos princípios que levariam à primeira iluminação elétrica. Um inventor inglês, Joseph Swan, realizou seus primeiros trabalhos e desenvolveu a base da moderna lâmpada elétrica no ano de 1879 com um papel fino e filamento de metal, cercado por um vácuo envidraçado. Quando a eletricidade passava pelo filamento, a lâmpada brilhava. Edison refinou este design, experimentando filamentos feitos de platina e algodão, antes de usar certeiramente o bambu carbonizado, capaz de queimar por mais de 1.200 horas. Com o projeto de Edison - e a resolução de um processo com Swan, que resultou numa "união das forças" dos dois inventores em 1883 - a iluminação elétrica tornou-se realmente viável para consumidores pela primeira vez.


O desenvolvimento da lâmpada desencadeou na disseminação em massa do consumo de energia elétrica nos EUA. Edison também estava por trás da criação da primeira usina elétrica comercial em 1882. A cidade de Nova York teria eletricidade completa dez anos depois. No final da década de 1930, a Administração de Eletrificação Rural, um dos programas do New Deal do presidente Franklin D. Roosevelt, forneceu iluminação elétrica para quase todos os cantos dos EUA. O desenvolvimento da lâmpada também não parou: pesquisadores modificaram ainda mais o design de Edison e Swan, refinando o filamento usando o tungstênio, enchendo o vácuo no vidro com gás, aumentando assim a vida útil da lâmpada incandescente.

A GRANDE VISÃO DE EDISON

Em 8 de setembro de 1878, Thomas Edison viajava para uma oficina em Connecticut onde trabalhava o inventor William Wallace. Ele iria examinar o protótipo que Wallace havia criado para a produção de uma luz elétrica. Um repórter do New York Sun o acompanhou na missão. Edison começara a pensar no problema da luz elétrica. O sistema "luz de arco" de Wallace consistia em um dínamo elétrico movido a vapor que pulsava corrente elétrica através de dois bastões de carbono, criando assim um feixe luminoso bem chamativo. Thomas Edison, conhecido a época no meio científico como "O Mágico de Menlo Park", reconheceu as imensas possibilidades deste novo dínamo e a sua luz brilhante, que poderiam ser utilizados ao ar livre ou em grandes interiores. Tonto de emoção, Edison virou-se para Wallace e fez uma aposta:

"Acredito que posso vencer você fazendo a luz elétrica. Não acho que você esteja trabalhando na direção certa"


Edison correu de volta para sua "fábrica de invenções" em Menlo Park, iniciando a corrida. Porque ele já tinha uma mente inventiva inigualável, então seria uma corrida que certamente Edison venceria aperfeiçoando uma alternativa à 'iluminação de arco', a qual muitos outros inventores também haviam tentado antes: a lâmpada incandescente, que envia uma corrente elétrica suave através de um filamento fino que emite um brilho suave. Então, apenas uma semana após sua visita à oficina de Wallace, Edison convocou o mesmo repórter do Sun para ir à Menlo Park, onde o inventor orgulhosamente revelaria sua inovação incrível: a primeira lâmpada incandescente realmente de uso prático, um componente vital para um sonho ainda muito maior, que viria a ser o seu famoso sistema inteiro de distribuição de energia elétrica para iluminação em larga escala. Dizia ele:

"Posso iluminar toda a parte baixa da cidade de Nova York usando um motor de 500 cavalos de potência" 


Mas primeiro ele teria que aperfeiçoar aquela lâmpada complicada: levaria anos de experimentos com platina, papel e bambu até encontrar-se o filamento durável e um gerador viável a um sistema de transmissão elétrica. Então, em 4 de setembro de 1882 - quatro anos após o anúncio de sua descoberta - Edison finalmente ficou diante de uma multidão nos escritórios da empresa de investimentos Drexel, Morgan & Co em Manhattan e apertou um botão: ao seu redor, 100 luzes incandescentes brilhariam, usando a energia gerada pela nova estação que sua equipe havia construído em Pearl Street. Nos escritórios e lojas do centro, outras 300 novas lâmpadas de Edison brilhavam suavemente. Para Edison e seus apoiadores em Wall Street, foi apenas o começo de um lucrativo império de luz e poder. Mas os concorrentes já estavam se alinhando. O mais forte deles foi o industrial George Westinghouse, que duvidou que a corrente contínua (DC) de Edison era ruim pelo fato de que as usinas geradoras de corrente contínua neste tempo não poderiam transmitir eletricidade economicamente viável a mais de 800 metros. Em 1885, ele adquiriu as patentes de uma nova tecnologia européia radical que usava corrente alternada (CA) para transmitir eletricidade de alta tensão a grandes distâncias. No final do ano seguinte, Westinghouse estava exibindo seu novo sistema em uma loja de departamentos em Buffalo, Nova York. Mas a alta voltagem da CA carregava riscos. E Edison se aproveitou disso descrevendo-a sombriamente para um de seus principais executivos.

Nikola Tesla, um dos mais verdadeiros gênios excêntricos do mundo esperava resolver esse problema na voltagem CA. - chegou até a sofrer um colapso nervoso por estresse. Em fevereiro de 1882 durante um passeio ao pôr do sol, ele teve uma visão quase mística de um design de motor CA em funcionamento. Dois anos depois, após uma passagem no escritório de Edison em Paris, Tesla estaria em Nova York, trabalhando diretamente com o seu ídolo. Mas depois que Edison disse a ele que não havia futuro na "mortal" voltagem CA , Tesla começou sua própria empresa de "iluminação de arco", na esperança de ganhar dinheiro para desenvolver o motor de seus sonhos. No final de 1887, Westinghouse e seu sistema de CA haviam se tornado o maior concorrente direto de Thomas Edison. Pressionado de todos os lados por seus principais sócios, Edison com relutância também adquiriu algumas patentes para um sistema voltagem CA europeu. Enquanto isso, a Tesla, em 1888 finalmente revelaria o seu motor CA e em julho, Westinghouse já havia comprado todas as patentes de voltagem CA da Tesla, contratando-o para criar também uma versão comercial de seu sonhado motor.

Nos anos seguintes, houve rumores de uma possível fusão entre a Edison General Electric e outro rival sua, a Thomson-Houston Electric Co.. Edison sempre a descartou, mas o assunto não estava realmente em suas mãos desde que a maioria das ações de sua empresa estavam sendo controladas pelo grupo financeiro JP Morgan: em 5 de fevereiro de 1892, Alfred O. Tate, secretário pessoal de Edison, estava em sua mesa no Edison Building, no sul de Manhattan, quando um repórter entrou para lhe dizer que o JP Morgan estava prestes a anunciar a temida fusão, a qual Edison nada sabia. Meses antes da fusão, o presidente da Thomson-Houston, Charles Coffin, havia mostrado a JP Morgan que sua empresa tinha quase o dobro dos lucratividade que a Edison General Electric. Convencido de que a diferença se devia em grande parte à gestão superior da Thomson-Houston, o JP Morgan decidiu que Coffin administraria as empresas fundidas. Pior: o JP Morgan apagaria o nome "Edison": a nova empresa seria chamada simplesmente de General Electric.

Mais tarde, Edison expressaria toda sua amargura, prometendo fazer algo "muito maior:

" ... as pessoas esquecerão que meu nome já foi conectado a algo elétrico"


Claro, nada disso aconteceu. Mas embora os Estados Unidos agora sejam uma nação majoritariamente "voltagem AC", é o nome de Thomas Edison que reverenciamos. Foi seu gênio que lançou a revolução elétrica e, sua lâmpada ilumina nosso mundo até hoje.

É verdade que Edison não tinha muita escolaridade formal: pode ter chegado no máximo a não mais de três meses de estudo segundo dados de época. Mas a mãe de Edison, Nancy, era professora e se encarregou de sua educação em casa, onde com o tempo ele montaria um laboratório de química. Edison também era um autodidata incansável, lia não apenas os clássicos da biblioteca de seu pai, mas também os tratados científicos e os periódicos científicos que estavam em evidência nos EUA da época. Quando Edison ainda era pequeno, sua família mudou-se de Milan, Ohio, para a movimentada cidade madeireira de Port Huron, Michigan.

Mesmo quando era um adolescente, ele trabalhava e ganhava 10 centavos como vendedor de trem numa linha de trem entre Port Huron e Detroit. Edison estava disposto a gastar US $ 2 de ingresso necessário para ter acesso a biblioteca pública de Detroit - embora isso fosse quase dois dias de pagamento seu. Aos 16 anos, ele conseguiu emprego como operador de telégrafo itinerante para a Western Union, viajando entre as cidades do centro-oeste em linhas ferroviárias do país.

Aos 20 anos, ele criaria suas primeiras invenções: formas aprimoradas de equipamento de telégrafo. Para um inventor iniciante, era o lugar certo e a hora certa. O país estava em pleno domínio da Revolução Industrial. Nas serrarias e estaleiros portuários de Port Huron, que alimentavam embarcações que operavam nos Grandes Lagos e além, Edison pôde obter sua primeira experiência com as máquinas que estavam transformando a América de uma nação agrícola para uma potência industrial. Com o tempo, ele se mudou para Boston, onde se viu em um meio científico que anteciparia o início do paraíso dos 'nerds', o Vale do Silício na década de 1970. Telegrafistas amadores aprimoravam ajustes tecnológicos, competindo por novas patentes e Edison, teve chance de participar de palestras públicas no Boston Tech, que mais tarde se tornaria o influente MIT -  Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Uma das idéias mais brilhantes de Edison em sua carreira como inventor na década de 1870 foi criar sua própria versão (em menor escala) de uma comunidade de inventores em Menlo Park, New Jersey. O laboratório e a oficina que ele estabeleceu em 1876 - sua "fábrica de invenções" - colocou-o no centro de uma massa efervescente de assistentes com formação em várias áreas da ciência, engenharia e mão de obra qualificada. Foi este essencialmente a primeira instalação industrial de pesquisa e desenvolvimento da América e a precursora de todas as atuais startups criativas no mundo dos negócios - do centro de engenharia da Ford ao campus da Microsoft e ao Googleplex do Google. Em Menlo Park, Edison gabava-se dele e sua equipe poderem desenvolver uma invenção menor a cada 10 dias e uma grande invenção a cada seis meses - meta que Steve Jobs alcançaria mais rapidamente com a Apple.

Em sua morte em 1931, aos 84 anos, Edison havia patenteado 1.093 mecanismos e processos fenomenais, incluindo cotações de ações, gravador mecânico de votos e - talvez um século antes - uma bateria para um carro elétrico. Ele criou os dispositivos cruciais que dariam origem a três indústrias americanas duradouras: energia elétrica, música gravada e filmes. Edison, como diz o título da biografia de Neil Baldwin, em 1996, passou sua carreira "inventando o século" - o século XX.
Inventores como Edison ajudaram a construir o domínio científico e tecnológico incomparável da América, um domínio que, mais do que qualquer outro fator isolado, transformou o século XX no século americano. Dos mais de 530 ganhadores do Nobel de Física, Química ou Medicina desde 1901, mais de 200 são americanos. As idéias que foram desenvolvidas nas principais universidades e centros de pesquisa e desenvolvimento corporativos do país tornaram-se os produtos que sustentariam titãs econômicos como Ford, IBM, Boeing, Intel e Google. E o governo federal desempenhou um papel importante por meio de seus próprios laboratórios de pesquisa e investimentos em educação. Mesmo quando a preeminência científica dos EUA foi ameaçada pelo lançamento do Sputnik da União Soviética em 1957, os EUA só voltaram mais fortes. " Grande parte do mundo em que vivemos hoje é um legado de Edison e de sua devoção à ciência e à inovação. Ele não apenas inventou a primeira lâmpada elétrica comercial, mas também estabeleceu a primeira empresa elétrica. Seu fonógrafo, inventado em 1877, lançou uma indústria global de música gravada que hoje vale quase US $ 150 bilhões. Porém, mais do que uma simples série de invenções, a contribuição mais duradoura de Edison pode estar no sistema de invenções industriais que ele ajudou a ser pioneiro. O verdadeiro gênio de Edison estava em sua capacidade de trazer inteligência cerebral em massa para o processo de invenção - e depois comercializar os dispositivos resultantes com os fundos de capital que se formavam no final do século XIX na América. À maneira "Menlo Park" usando um quadro considerável de assistentes qualificados com experiência em vários campos, tornou-se a base para pesquisa e desenvolvimento atuais, praticada nos EUA e cada vez mais em todo o mundo. Edison nos ensinou a inventar e, por décadas, norte-americanos foram os melhores inventores do mundo.

Hoje, porém, mais de 160 anos após o nascimento de Edison, os Estados Unidos estão perdendo sua vantagem científica. Um relatório divulgado em maio pelo Conselho Nacional de Ciência estabelece os números: enquanto o investimento dos EUA em P&D como parcela do PIB total permaneceu relativamente constante desde meados da década de 1980 em 2,7%, a participação federal em P&D diminuiu consistentemente - mesmo que países asiáticos como o Japão e a Coréia do Sul tenham aumentado rapidamente essa proporção. Os investimentos da China em P&D cresceram mais de 20% ao ano entre 1996 e 2007, em comparação com menos de 6% de crescimento anual nos EUA. Ao mesmo tempo, os estudantes americanos parecem estar perdendo o interesse pela ciência. Apenas cerca de um terço dos diplomas de bacharel nos EUA estão em ciências ou engenharia agora, em comparação com 63% no Japão e 53% na China. Embora os EUA já foi um dos principais países em termos de proporção de diplomas de ciências e engenharia e sua população em idade universitária, agora está entre os 23 países que coletam esses dados. E enquanto os EUA concederam 22.500 doutores em ciência e engenharia em 2007, mais da metade deles foi para estrangeiros, proporção que cresceu nos últimos anos.



Fonte: Time (Arquivos) 

Codlux® - Luz em Led

Luz é Função. Estamos empenhados nisso.

LEIA TAMBÉM 

Como Edison (re)inventou a lâmpada - e seus próprios mitos

Verdades, Lendas e o Legado do Pai da Iluminação Moderna 

18 de Junho: Aniversário da lâmpada ACESA mais antiga do mundo!

Leia esta história muito curiosa! 

Dia da Iluminação - o legado de Thomas Edison

As curiosidades de um Gênio controverso 

04 de Setembro, um marco na Iluminação!

A saga da primeira via pública iluminada com lâmpadas elétricas no mundo 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chuva e Led combinam? Sim e não...

Olá! É época de chuvas fortes em boa parte do Brasil. Inclusive no nordeste este ano, as águas caíram em Alagoas por exemplo enchendo regiões inteiras e desabrigando milhares de famílias. Com todo o respeito as vítimas, é um momento também para lembrarmos da fragilidade do Led em relação a uma possível exposição constante a umidade e água. Basicamente, o uso da iluminação em Led deve primeiramente considerar o seu local de aplicação: se o equipamento será de interno ou externo. Resumindo de forma bem didática, todo equipamento Led que não tiver uma certificação de proteção "IP65 e/ou IP66", deve ser usado em áreas internas - protegido da umidade, vapores de água, respingos, chuvas, alagamentos e submersão. Estas são regras básicas que, obrigatoriamente, devem ser aplicadas as Lâmpadas para soquetes diversos, aos plafons para embutir em gesso ou laje, as fitas em Led etc. Para uso fora de ambientes fechados como um Refletor Led por exemplo, existe a devida norma técnica

Floresta Viva (Josefina)

Olá! A Codlux® apresenta para você nesta publicação, o projeto luminotécnico desenvolvido para o restaurante Josefina, hoje conhecido como Floresta Viva Pizza Bar e Restaurante . Acompanhe logo após o video intro, todo o desenrolar de mais este case Codlux® nas palavras de nosso lighting designer e responsável pelo projeto de iluminação,  Marcos Britto .  Veja, leia e inspire-se, como nós!  Marcos Britto, Codlux®   A Augusta de Andrade Arquitetura & Interiores solicitou a nossa colaboração neste projeto de iluminação. Ele não era de budget muito alto então, não tínhamos muita intervenção na especificação a ser aprovada pelo cliente. Porém no andar inferior, um teto em laje somado ao fato de se trabalhar com iluminação pontual foi de execução um pouco mais complicada, a princípio. Ali, tivemos que acrescentar alguns pontos de luz, mas não todos os que realmente gostaríamos de ver no ambiente: enquanto o profissional instalador trabalhava no local, encontrou obstáculos na infraestru

Duplex no Morumbi

Olá! Neste projeto luminotécnico especificado por  Marcos Britto da Codlux® em Novembro de 2019, os constantes entraves pandêmicos e até alguns erros de projeto provenientes do longuíssimo 'delay' nos confinamentos demandou muito mais tempo que o previsto para um acompanhamento perfeito nas instalações dos equipamentos LED entregues. De fato, a pandemia de 2020 foi devastadora para muitas famílias, com perdas irreparáveis de entes queridos e readaptações drásticas no ritmo de vida urbano das populações globais - inclusive no que disse respeito a planos, metas e expectativas. Não poderia ser diferente neste caso. Como a Codlux® lidou com esta situação toda é o que você irá acompanhar daqui em diante.   Localizado no bairro do Morumbi em São Paulo, a especificação luminotécnica aplicada aos apartamentos deste conjunto de edifícios na verdade, atendeu duas unidades de 250 m² cada que agora, contam com a correta iluminação da Codlux®. O primeiro dos apartamentos já foi completamen